Skip to main content

BioNTech enfrenta centenas de pedidos de indenização alemães por vacina contra Covid

Produtor de itens farmacêuticos encara primeira audiência judicial na segunda-feira
| Oton de Oliveira | Comportamento
413 Visitas

A BioNTech está enfrentando uma enxurrada de pedidos de indenização na Alemanha movidos por dois escritórios de advocacia que dizem que seus clientes sofreram danos duradouros a sua saúde devido à vacina da empresa contra o coronavírus.

A empresa com sede em Mainz enfrentará nesta segunda-feira (12) sua primeira audiência no tribunal alemão sobre as reivindicações em um caso movido em nome de uma profissional de saúde de meia-idade.

Ela pede 150 mil euros (R$ 787 mil) em danos por sintomas como arritmia cardíaca e névoa cerebral que, segundo ela, foram causados após receber a vacina.


A BioNTech está enfrentando uma enxurrada de pedidos de indenização na Alemanha movidos por dois escritórios de advocacia que dizem que seus clientes sofreram danos duradouros a sua saúde devido à vacina da empresa contra o coronavírus.

A empresa com sede em Mainz enfrentará nesta segunda-feira (12) sua primeira audiência no tribunal alemão sobre as reivindicações em um caso movido em nome de uma profissional de saúde de meia-idade.

Ela pede 150 mil euros (R$ 787 mil) em danos por sintomas como arritmia cardíaca e névoa cerebral que, segundo ela, foram causados após receber a vacina.

 
As ações contra a BioNTech foram movidas por dois escritórios de advocacia, Rogert Ulbrich e Cäsar-Preller
As ações contra a BioNTech foram movidas por dois escritórios de advocacia, Rogert Ulbrich e Cäsar-Preller - Andre Pain - 27.mar.2023/AFP

O desafio, num tribunal regional de Hamburgo, é um dos centenas de pedidos de indenização de até 1 milhão de euros que serão apresentados pelas duas sociedades de advogados.

A mais proeminente das empresas, a Rogert & Ulbrich, com sede em Düsseldorf, é liderada por Tobias Ulbrich, especialista em direito de transporte e frete que criticou nas redes sociais os fabricantes de vacinas. A outra empresa é a Cäsar-Preller, com sede em Wiesbaden.

As empresas conseguiram indenizações para os consumidores da montadora alemã Volkswagen por seu escândalo de emissões de diesel.

Dado que cerca de três quartos dos 224 milhões de doses de vacinas administrados na Alemanha foram produzidos pela BioNTech em colaboração com a Pfizer, a grande maioria das reivindicações está sendo movida contra a empresa com sede em Mainz, que foi pioneira no uso de RNA mensageiro em vacinas.

Os casos alemães representam o maior número de pedidos de indenização que a BioNTech enfrentou em todo o mundo desde que ganhou fama durante a pandemia.

Ulbrich é uma figura controversa, que afirmou que o bilionário americano Bill Gates queria usar a vacinação para reduzir a população da Alemanha para 27 milhões de pessoas —uma alegação que um porta-voz de sua fundação disse ser "falsa".

Ele também afirmou que exames de sangue em alguns de seus clientes mostraram que eles sofriam de uma "síndrome de imunodeficiência adquirida por vacina" ou "V-AIDS" —uma síndrome que os cientistas respeitados dizem não ser real.

O advogado disse ao Financial Times que reportagens da mídia alemã que o pintaram como um teórico da conspiração mostraram que ele estava "fazendo um bom trabalho" para assustar as empresas farmacêuticas.

Estudos revisados por pares mostraram que os efeitos colaterais das vacinas contra a Covid-19 são raros, mas existem, incluindo quatro tipos de complicações neurológicas e uma inflamação do coração conhecida como miocardite.

Mas a BioNTech, listada publicamente, disse estar confiante de que os casos serão arquivados, apontando para o fato de que decidiu não deixar de lado provisões para cobrir possíveis pedidos de indenização.

"O monitoramento contínuo do perfil de segurança da vacina e após mais de 2,6 bilhões de doses [da vacina contra a Covid-19] administradas em todo o mundo até o momento não identificou efeitos colaterais potenciais além daqueles já listados nas respectivas informações do produto", disse a BioNTech.

A empresa acrescentou que, no caso de Hamburgo, a demandante e seus advogados não conseguiram demonstrar uma "relação causal entre os eventos adversos e a vacina", em vez de uma coincidência, e descreveu o processo como "sem mérito".

Ulbrich sustenta que o ônus da prova —e também a eventual indenização— é mais baixo na Alemanha do que noutros países e está confiante de que, particularmente nas audiências em Munique e Düsseldorf, os casos dos seus clientes são fortes.

Um veredicto contra a BioNTech provavelmente teria limitado os danos financeiros diretos à empresa por causa de um escudo legal da UE que protegia amplamente os fabricantes de vacinas de responsabilidade legal se causassem efeitos colaterais imprevistos, deixando os governos nacionais no gancho.

Ainda assim, a empresa teve que expandir o uso de escritórios de advocacia extras para lidar com o aumento da carga de casos.

Tanto Rogert e Ulbrich quanto Cäsar-Preller rejeitam as acusações de que estão explorando as preocupações de pessoas que não estão bem, mas têm poucas chances de vencer uma disputa judicial bem-sucedida para seu próprio ganho financeiro.

Dizem que as taxas que podem cobrar na maioria dos casos são limitadas a cerca de 7.000 euros e são muitas vezes pagas pelo seguro dos seus clientes.

"É um custo intensivo", disse o proprietário da Cäsar-Preller, Joachim Cäsar-Preller. "Temos uma grande equipe. Metade do dinheiro vai para a Justiça."