Como a variante Delta espalhou ultrarrápido

A carga viral é cerca de 1.000 vezes maior em pessoas infectadas com a variante Delta do que aquelas infectadas com a cepa original do coronavírus, de acordo com um estudo na China.
| Oton de Oliveira | Comportamento
35 Visitas

Desde que apareceu pela primeira vez na Índia no final de 2020, a variante Delta do SARS-CoV-2 tornou-se a cepa predominante em grande parte do mundo. Os pesquisadores podem agora saber por que a Delta tem sido tão bem sucedida: as pessoas infectadas com ele produzem muito mais vírus do que as infectadas com a versão original do SARS-CoV-2, tornando muito fácil de se espalhar.

De acordo com as estimativas atuais, a variante Delta poderia ser mais do que duas vezes mais transmissível do que a cepa original de SARS-CoV-2. Para descobrir o porquê, o epidemiologista Jing Lu, do Centro Provincial de Controle e Prevenção de Doenças de Guangdong, em Guangzhou, China, e seus colegas rastrearam 62 pessoas que foram colocadas em quarentena após a exposição ao COVID-19 e que foram algumas das primeiras pessoas na China continental a serem infectadas pela cepa Delta.


Desde que apareceu pela primeira vez na Índia no final de 2020, a variante Delta do SARS-CoV-2 tornou-se a cepa predominante em grande parte do mundo. Os pesquisadores podem agora saber por que a Delta tem sido tão bem sucedida: as pessoas infectadas com ele produzem muito mais vírus do que as infectadas com a versão original do SARS-CoV-2, tornando muito fácil de se espalhar.

De acordo com as estimativas atuais, a variante Delta poderia ser mais do que duas vezes mais transmissível do que a cepa original de SARS-CoV-2. Para descobrir o porquê, o epidemiologista Jing Lu, do Centro Provincial de Controle e Prevenção de Doenças de Guangdong, em Guangzhou, China, e seus colegas rastrearam 62 pessoas que foram colocadas em quarentena após a exposição ao COVID-19 e que foram algumas das primeiras pessoas na China continental a serem infectadas pela cepa Delta.

 
As pessoas esperam pela internação fora da ala de emergência de um hospital que atende pacientes covid-19, indonésia.

Uma fila em um hospital em Surabaia, Indonésia, que trata as pessoas com COVID-19. A Indonésia foi duramente atingida pela variante Delta. Crédito: Juni Kriswanto/AFP/Getty

A equipe testou a "carga viral" dos participantes do estudo — uma medida da densidade de partículas virais no corpo — todos os dias ao longo do curso da infecção para ver como ela mudou com o tempo. Os pesquisadores então compararam os padrões de infecção dos participantes com os de 63 pessoas que contraíram a cepa original sars-cov-2 em 2020.

Em uma pré-impressão postada em 12 de julho, os pesquisadores relatam que o vírus foi detectado pela primeira vez em pessoas com a variante Delta quatro dias após a exposição, em comparação com uma média de seis dias entre as pessoas com a cepa original, sugerindo que o Delta se replica muito mais rápido. Indivíduos infectados com Delta também tinham cargas virais até 1.260 vezes maiores do que aquelas em pessoas infectadas com a cepa original.

A combinação de um alto número de vírus e um curto período de incubação faz sentido como uma explicação para a maior transmissibilidade da Delta, diz o epidemiologista Benjamin Cowling, da Universidade de Hong Kong. A grande quantidade de vírus no trato respiratório significa que eventos super-disseminados provavelmente infectam ainda mais pessoas, e que as pessoas podem começar a espalhar o vírus mais cedo depois que forem infectadas.

E a curta incubação dificulta o rastreamento de contatos em países como a China, que rastreia sistematicamente os contatos de cada pessoa infectada e exige que eles fiquem em quarentena. "Juntando tudo isso, a Delta é realmente difícil de parar", diz Cowling.

A pesquisadora de genética Emma Hodcroft, da Universidade de Berna, na Suíça, concorda que o mecanismo faz sentido. Ela e Cowling suspeitam que as estimativas da diferença exata da carga viral entre Delta e a cepa original provavelmente mudarão à medida que mais cientistas estudam o vírus em várias populações.

Uma série de outras perguntas sobre a variante Delta permanecem sem resposta. Ainda não está claro, por exemplo, se é mais provável que cause doenças graves do que a cepa original, e quão boa é em escapar do sistema imunológico. Hodcroft espera que algumas dessas informações surjam à medida que os pesquisadores olham mais de perto para populações mais amplas e diversificadas de pessoas infectadas com delta e outras variantes. "Esse vírus nos surpreendeu", diz ela.

Cientistas se preparam para o impacto

Um viajante faz check-in em um balcão da KLM no Aeroporto schiphol de Amsterdã.

Um viajante faz check-in em um balcão da KLM no Aeroporto schiphol de Amsterdã. Crédito: Koen van Weel/ANP/AFP/Getty

Quando os primeiros casos da variante DELTA SARS-CoV-2 foram detectados no Reino Unido em meados de abril, a nação estava se preparando para se abrir. Os números de casos, internações e mortes do COVID-19 despencaram, graças a meses de confinamento e a um dos programas de vacinação mais rápidos do mundo. Dois meses depois, a variante, que foi detectada pela primeira vez na Índia, catalisou uma terceira onda britânica e forçou o governo a adiar a reabertura completa da sociedade que havia originalmente programada para 21 de junho.

Depois de observar a surpreendente e rápida ascensão da variante Delta no Reino Unido, outros países estão se preparando para o impacto da variante — se eles ainda não estão sentindo. Nações com amplo acesso a vacinas, como as da Europa e da América do Norte, estão esperançosas de que as vacinas possam amortecer a inevitável ascensão do Delta. Mas em países sem grandes estoques de vacinas, particularmente na África, alguns cientistas temem que a variante possa ser devastadora.

"Na minha mente, será muito difícil manter fora essa variante", diz Tom Wenseleers, biólogo evolucionário e bioestatístico da Universidade Católica de Leuven (KU Leuven), na Bélgica. "É muito provável que ele vai assumir completamente em uma base mundial."

Delta, também conhecida como B.1.617.2, pertence a uma linhagem viral identificada pela primeira vez na Índia durante uma feroz onda de infecções lá em abril e maio. A linhagem cresceu rapidamente em algumas partes do país, e mostrou sinais de resistência parcial às vacinas. Mas foi difícil para os pesquisadores desembaraçar essas propriedades intrínsecas da variante de outros fatores que levavam os casos confirmados da Índia a passar de 400.000 por dia, como encontros em massa.

Dados Delta

A variante Delta foi ligada a um ressurgimento do COVID-19 no Nepal, sudeste da Ásia e em outros lugares, mas sua expansão no Reino Unido deu aos cientistas uma imagem clara da ameaça que representa. A Delta parece ser cerca de 60% mais transmissível do que a já altamente infecciosa variante Alpha (também chamada de B.1.1.7) identificada no Reino Unido no final de 2020.

Delta é moderadamente resistente às vacinas, particularmente em pessoas que receberam apenas uma única dose. Um estudo da Public Health England publicado em 22 de maio descobriu que uma única dose da vacina da AstraZeneca ou da Pfizer reduziu o risco de uma pessoa desenvolver sintomas COVID-19 causados pela variante Delta em 33%, em comparação com 50% para a variante Alpha. Uma segunda dose da vacina AstraZeneca aumentou a proteção contra delta para 60% (em comparação com 66% contra Alpha), enquanto duas doses do jab da Pfizer foram 88% eficazes (em comparação com 93% contra Alpha).

Evidências preliminares da Inglaterra e da Escócia sugerem que pessoas infectadas com Delta têm cerca de duas vezes mais chances de acabar no hospital, em comparação com aquelas infectadas com Alpha.

"Os dados que saem do Reino Unido são tão bons, que temos uma ideia muito boa sobre como a variante Delta está se comportando", diz Mads Albertsen, bioinformática da Universidade de Aalborg, na Dinamarca. "Isso tem sido um abridor de olhos."

A Dinamarca, que, assim como o Reino Unido, é líder mundial em vigilância genômica, também viu um aumento constante nos casos causados pela variante Delta — embora muito menos do que a maioria dos outros países europeus. É apenas uma questão de tempo até que a variante se torne dominante na Dinamarca, diz Albertsen, mas a esperança é que sua expansão possa ser retardada através da vacinação, vigilância e rastreamento de contato aprimorado. "Vai assumir", diz ele, mas "espero que em alguns meses e não tão cedo.".

Enquanto isso, o governo dinamarquês está aliviando as restrições, não ressarpriindo-as: restaurantes e bares estão abertos há meses para indivíduos que foram vacinados ou receberam um teste negativo recente, e, a partir de 14 de junho, máscaras não são mais necessárias na maioria dos ambientes internos. "Está parecendo bom agora na Dinamarca, e estamos de olho na variante Delta", diz Albertsen. "Pode mudar muito rápido, como tem feito no Reino Unido."

Os casos da variante Delta no Reino Unido estão dobrando aproximadamente a cada 11 dias. Mas países com amplos estoques de vacinas devem ser tranquilizados pelo aumento mais lento das internações hospitalares, diz Wenseleers. Um estudo recente da Public Health England1 descobriu que as pessoas que tomaram uma dose de vacina têm 75% menos chances de serem hospitalizadas, em comparação com indivíduos não vacinados, e aquelas que estão totalmente protegidas têm 94% menos chances de serem hospitalizadas.

Spread dos EUA

A Delta também está em ascensão nos Estados Unidos, particularmente no Centro-Oeste e sudeste. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA declararam-no uma variante de preocupação em 15 de junho. Mas vigilância irregular significa que a imagem lá é menos clara. De acordo com uma amostragem nacional conduzida pela empresa de genômica Helix em San Mateo, Califórnia, a Delta está subindo rapidamente. Usando um teste rápido de genotipagem, a empresa descobriu que a proporção de casos causados por Alpha caiu de mais de 70% no final de abril para cerca de 42% em meados de junho, com o aumento da Delta impulsionando grande parte da mudança2.

Jeremy Kamil, virologista da Louisiana State University Health, em Shreveport, espera que a Delta eventualmente se torne dominante nos Estados Unidos, "mas seja um pouco prejudicada pela vacinação". No entanto, grandes disparidades nas taxas de vacinação podem levar a uma variação regional e local nos casos e internações causadas pela Delta, diz Jennifer Surtees, bioquímica da Universidade de Buffalo, Nova York, que está realizando vigilância regional.

Ela observa que 70% dos nova-iorquinos elegíveis receberam pelo menos uma dose de vacina — um marco que desencadeou o levantamento da maioria das restrições do COVID-19 na semana passada — mas esse número está abaixo de 40% em algumas partes do estado. Comunidades com altas proporções de afro-americanos e hispânicos, onde as taxas de vacinação tendem a ser baixas, podem ser especialmente atingidas pela Delta. "São populações que estão realmente em risco de um surto localizado da Delta, então acho que é muito importante continuar rastreando e observando isso o máximo possível", diz Surtees.

Dados da Helix2 em quase 20.000 amostras sequenciadas desde abril sugerem que a variante Delta está se espalhando mais rápido em condados dos EUA onde menos de 30% dos residentes foram totalmente vacinados, em comparação com os condados com taxas de vacinação acima desse limite.

África em risco

A Delta representa o maior risco, dizem os cientistas, para países que têm acesso limitado a vacinas, particularmente as da África, onde a maioria das nações vacinaram menos de 5% de suas populações. "As vacinas nunca chegarão a tempo", diz Wenseleers. "Se esse tipo de nova variante chegar, pode ser muito devastador."

A vigilância nos países africanos é extremamente limitada, mas há indícios de que a variante já está causando o aumento dos casos. Várias sequências da variante foram relatadas na República Democrática do Congo, onde um surto na capital Kinshasa encheu hospitais. A variante também foi detectada no Malawi, Uganda e África do Sul.

Países que têm laços econômicos próximos à Índia, como os da África Oriental, provavelmente correm o maior risco de ver um aumento nos casos causados pela Delta, diz Tulio de Oliveira, bioinformático e diretor da Plataforma de Sequenciamento de Pesquisa e Inovação KwaZulu-Natal em Durban, África do Sul. Em seu país, todos os casos Delta foram detectados em tripulações de transporte em portos comerciais, sem sinais ainda de propagação na comunidade geral.

De Oliveira espera que continue assim. A África do Sul está no meio de uma terceira onda de infecções causadas pela variante Beta (também conhecida como B.1.351) identificada lá no ano passado. Isso, combinado com a falta de viagens de países afetados pela Delta, deve dificultar a a posse de uma nova variante.

Fatores semelhantes podem estar mantendo a Delta à distância no Brasil, que está lutando contra outra variante imunológica chamada P.1, ou Gama, diz Gonzalo Bello, virologista do Instituto Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro, que faz parte de uma equipe que conduz a vigilância nacional. Até agora, o Brasil sequencia apenas quatro casos da variante Delta no país.

Enquanto os países se aproximam da variante Delta — ou esperam que ela passe por eles — os pesquisadores dizem que precisamos observar ameaças ainda maiores. "O que a maioria das pessoas está preocupada são as próximas variantes — se começarmos a ver variantes que podem realmente desafiar as vacinas", diz Albertsen.